ana_cristina_haja_manha.jpg
celeste_martins_cais_da_gilao.jpg
ruben-silva-acordar-na-gilao.jpg
fernando_jose_coliseu_da_musica.jpg
jorge_sampaio_do_lado_de_ca.jpg
sergio_goncalves_ontem_hoje_do_fado.jpg
lilia_martins_clube_magico.jpg

Até onde vai a minha responsabilidade pelo contador de electricidade?

Versão para impressão PDF

DECO - Delegação Regional do AlgarveCONSULTÓRIO DO CONSUMIDOR / DECO

"Até onde vai a minha responsabilidade pelo contador de electricidade?”

A DECO INFORMA… 

Nos últimos meses, a DECO tem sentido um aumento significativo do número de reclamações contra a EDP Distribuição. Em causa está a cobrança de acertos de consumo devido a alegados procedimentos fraudulentos nos contadores.

A notícia chega aos consumidores em discurso similar: a comercializadora informa-os que, após verificar o contador, detectou manipulações que falsificam a medição da energia elétrica consumida e/ou a potência contratada. Em consequência, exige o pagamento do acerto.

A sanção mostra-se adequada à ilicitude descrita; já a sua aplicação a qualquer cliente, quer seja ou não autor da fraude, traduz um atentado aos consumidores.

Também a possibilidade de aos consumidores não responsáveis pelo acto ilícito, serem cobrados consumos com mais de 6 meses se mostra inaceitável, sobretudo porque a lei obriga a leituras reais periódicas pelo distribuidor. O cliente não pode, pois, ser prejudicado pela inépcia daquele na identificação de irregularidades.

Além disso, se contratualmente o cliente não tem a obrigação de guardar o contador, nem teria como a cumprir quando o mesmo se localiza fora da habitação, não lhe deverá caber o ónus da prova.

O diploma que regula estas práticas fraudulentas deixa os consumidores desprotegidos, contradizendo até a Lei dos Serviços Públicos Essenciais, pelo que as normas que permitem as situações relatadas terão de ser invertidas.

A par dessas alterações, a DECO propôs ainda à Direção-Geral de Energia e Geologia e à Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, as seguintes:

- A inspecção do contador deverá ser feita na presença de testemunha;
- O corte de fornecimento deverá ser suspenso até inspecção;
- Os cálculos dos acertos deverão assentar em critérios claros.

O tratamento igual, para condutas desiguais, é preocupante, pelo que urge uma revisão da lei que defenda os consumidores cumpridores dos seus deveres.

DECO-Delegação Regional do Algarve

Emissão em Directo (player 1)

Emissão em Directo (player 2)

Facebook Rádio Gilão

Contacte-nos

Largo de Santa Ana nº 1 - Tavira

 

8800-701 TAVIRA

 

Tel: +351 281 320 240

 

Fax: +351 281 325 523

 

Email: radiogilao@net.vodafone.pt

Siga-nos

facebook twitter instagram
youtube linkedin

Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiência como utilizador. Para saber mais sobre os cookies que usamos e como apaga-los, consulte nossa Politica de cookies.

Aceitar cookies deste site.