ana_cristina_haja_manha.jpg
celeste_martins_cais_da_gilao.jpg
ruben-silva-acordar-na-gilao.jpg
fernando_jose_coliseu_da_musica.jpg
jorge_sampaio_do_lado_de_ca.jpg
sergio_goncalves_ontem_hoje_do_fado.jpg
lilia_martins_clube_magico.jpg

Já tenho utilizado o produto Angelicalm e ouvi dizer recentemente que este vai ser retirado do mercado, porquê?

Versão para impressão PDF

DECO - Delegação Regional do AlgarveCONSULTÓRIO DO CONSUMIDOR / DECO

"Já tenho utilizado o produto Angelicalm e ouvi dizer recentemente que este vai ser retirado do mercado, porquê?”

A DECO INFORMA…

Os produtos da Angelicalm apresentam-se como suplementos alimentares, mas incluem melatonina e valeriana, regulador do sono e calmante, também usados em medicamentos. Através da rotulagem, verificámos que os comprimidos incluem mais do triplo da valeriana (150 mg) de fármacos aprovados pelo Infarmed, como o Valdispert (45 mg).

Denunciámos o caso ao Ministério da Agricultura, responsável pelo controlo dos suplementos alimentares. Para esta entidade, sempre que um “ingrediente esteja presente em teores iguais ou superiores aos dos medicamentos, há uma forte probabilidade de que o produto apresentado como suplemento alimentar não o seja”. Por isso, esta entidade pediu um parecer ao Infarmed, que foi categórico: os comprimidos Angelicalm devem ser classificados como medicamento e respeitar todos os requisitos destes.

O Ministério da Agricultura informou-nos de que já comunicou as conclusões ao fabricante e impôs “medidas de gestão de risco no sentido de retirar todo o produto do mercado”. Permaneceremos atentos.

Para voltar a vender os comprimidos com a composição actual, o fabricante tem de pedir autorização de introdução no mercado ao Infarmed e apresentar estudos que comprovem a sua qualidade, segurança e eficácia.

Os suplementos alimentares têm um processo de autorização bem mais simples e, por não terem uma função terapêutica, estão isentos de apresentar as referidas provas. Uma vez à venda, estes produtos não têm vigilância dos efeitos adversos, que é obrigatória no caso dos medicamentos.

A definição legal destes produtos é demasiado ampla e permite a inclusão de substâncias também presentes nos fármacos, sem limitar a sua quantidade. A fronteira entre as duas categorias é, pois, difícil de estabelecer. Os consumidores exigem maior rigor nesta definição.

DECO-Delegação Regional do Algarve

Emissão em Directo (player 1)

Emissão em Directo (player 2)

Facebook Rádio Gilão

Contacte-nos

Largo de Santa Ana nº 1 - Tavira

 

8800-701 TAVIRA

 

Tel: +351 281 320 240

 

Fax: +351 281 325 523

 

Email: radiogilao@net.vodafone.pt

Siga-nos

facebook twitter instagram
youtube linkedin

Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiência como utilizador. Para saber mais sobre os cookies que usamos e como apaga-los, consulte nossa Politica de cookies.

Aceitar cookies deste site.