ana_cristina_haja_manha.jpg
celeste_martins_cais_da_gilao.jpg
ruben-silva-acordar-na-gilao.jpg
fernando_jose_coliseu_da_musica.jpg
jorge_sampaio_do_lado_de_ca.jpg
sergio_goncalves_ontem_hoje_do_fado.jpg
lilia_martins_clube_magico.jpg

Sacos de plástico: o que mudou?

Versão para impressão PDF

DECO - Delegação Regional do AlgarveCONSULTÓRIO DO CONSUMIDOR / DECO

"Sacos de plástico: o que mudou?”

A DECO INFORMA…

Embora concordando com o princípio de sustentabilidade ambiental subjacente ao novo imposto sobre os sacos de plástico leves, introduzida a 15 de Fevereiro, a DECO considera que o seu valor, de 10 cêntimos, não é razoável.

A Associação entende igualmente que a medida deveria ter sido aplicada de forma gradual, com um período de transição com um preço inicial mais baixo, e acompanhado de campanhas de sensibilização.

Cremos, pois, que a sua implementação imediata constitui a principal causa para que muitos consumidores a interpretem como fonte de receita para o Estado, bem como para que várias dúvidas persistam, e a que aqui respondemos:

A que sacos se aplica?
Aos que tenham alças e plástico na sua constituição, com uma espessura inferior ou igual a 0,05 milímetros (usados em supermercados ou farmácias, por exemplo.). Os sacos transparentes e sem alças são grátis.

Onde será aplicado o valor da taxa?
Na proteção da natureza e para financiar o programa do Governo de desagravamento do IRS para as famílias.

O saco tem de ser facturado?
Sim, com a designação “sacos de plástico leves”, e a indicação da quantidade e do preço.

Estes sacos são prejudiciais para o ambiente?
Sim, a baixa resistência dos mesmos leva à sua pouca utilização e elevado consumo, que obriga à utilização excessiva de recursos, e o facto de serem difíceis de tratar como resíduos, prejudica a reciclagem. Como são leves, voam facilmente, atingindo grandes distâncias e poluindo a natureza e o mar; O facto de serem degradáveis, fá-los separarem-se em partículas finas, entrando na nossa cadeia alimentar.
Já os sacos mais resistentes reutilizam-se, substituindo milhares de sacos leves.

A não cobrança pode penalizar os comerciantes?
Sim, constituindo uma contraordenação ambiental muito grave, pode dar origem a execução fiscal.
Continua, assim, a ser pertinente - e premente - a aposta em sessões dirigidas aos consumidores para que estes possam encarar o imposto como uma medida ambiental.

DECO-Delegação Regional do Algarve

Emissão em Directo (player 1)

Emissão em Directo (player 2)

Facebook Rádio Gilão

Contacte-nos

Largo de Santa Ana nº 1 - Tavira

 

8800-701 TAVIRA

 

Tel: +351 281 320 240

 

Fax: +351 281 325 523

 

Email: radiogilao@net.vodafone.pt

Siga-nos

facebook twitter instagram
youtube linkedin

Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiência como utilizador. Para saber mais sobre os cookies que usamos e como apaga-los, consulte nossa Politica de cookies.

Aceitar cookies deste site.